Um especialista em vacinas, está em sintonia com o Arcebispo Viganò em relação ao apelo de Viganò por criar aliança contra a "fundamentalmente má" tirania COVID!

04-12-2021

À luz das políticas de bloqueio que estão a impedir fortemente a liberdade humana de movimento, de viagens e de reuniões sociais como um todo, o LifeSiteNews perguntou ao Dr. Malone se ele poderia explicar as declarações recentes que ele fez no programa "War Room" de Steve Bannon sobre o perigo de "totalitarismo global", como está a acontecer agora em países como a Áustria e a Austrália.

O especialista em vacinas comparou os bloqueios com a metáfora do "nariz do camelo": "Uma vez que o nariz do camelo entra na tenda, logo o camelo inteiro está na tenda", disse o Dr. Malone.

"Temos essa tendência nas democracias ocidentais - francamente, acho que a Grã-Bretanha é particularmente suscetível - a essa ideia de que estamos a fazer isso para o bem comum, de que podemos fazer engenharia social, e assim podemos ter essas intervenções."

Embora essas democracias afirmem que essas medidas são "limitadas, apenas para uma coisa", vemos "esse incrementalismo" a acorrer, continuou o Dr. Malone. Como exemplo desse fenómeno, ele referiu-se à "Trusted News Initiative" da Grã-Bretanha. Originalmente destinado a "resistir à incursão no nosso sistema político de interesses políticos offshore", agora foi "usado como arma contra a dissidência vacinal. Na verdade, é o que se trata: é uma divergência sobre a interpretação dos fatos e informações."

Dr. Malone expôs os seus pensamentos:

"E agora ... vamos fazer a mesma coisa com a mudança climática. E quem sabe qual será o próximo objetivo da engenharia social? Parece ser essa erosão crónica dos direitos e liberdades civis na lógica que os países e governos [costumam argumentar] que está tudo bem fazer engenharia social por meio dessas várias intervenções. E eu acho que isso é realmente preocupante."

É neste contexto que a LifeSite pediu ao Dr. Malone para comentar sobre o fato de que ele recentemente "retuitou" no Twitter a declaração do vídeo do Arcebispo Carlo Maria Viganò a pedir uma "aliança antiglobalista".

"Estou convencido, assim como ele [o arcebispo Viganò], de que há algo aqui que vai para além de apenas as vacinas e da saúde pública", respondeu o Dr. Malone.

"É impossível entender o que está a acontecer no mundo agora apenas como uma explicação da saúde pública e na política de vacinas ou antivirais, e estou convencido de que estamos numa situação em que todos estamos a perder todos os nossos direitos e que há uma força maior para além disso tudo."

"Tenho colegas que falam longamente sobre o mal", continuou o especialista médico e pesquisador.

"Há um sentimento crescente por parte de muitas pessoas de que algo fundamentalmente mal está a acontecer aqui (...) Estou convencido de que temos uma situação que é essencialmente o crescimento e a expansão da tirania global que é harmonizada, administrada, que está a alinhar entre os estados-nação e parece estar alinhado com os interesses económicos de um pequeno grupo de fundos de investimento que representa a maior parte do capital ocidental global."

É aqui, também, que o Dr. Malone vê paralelos entre os seus próprios pensamentos e os do Arcebispo Viganò:

"O que estou particularmente alarmado - eu e muitos outros, e aparentemente também o arcebispo - é que este reservatório de capital é tão grande agora que tem mais poder do que os estados-nação individuais."

O prelado italiano descreveu a situação atual da seguinte maneira, e é bastante semelhante ao que diz o Dr. Malone:

"Há quase dois anos que temos testemunhado um golpe de estado global, no qual uma elite financeira e ideológica conseguiu tomar o controle da parte dos governos nacionais, instituições públicas e privadas, mídia, judiciário, políticos e líderes religiosos. Todos esses, sem distinção, tornaram-se "escravos" desses novos senhores que garantem poder, dinheiro e afirmação social a seus cúmplices. Os direitos fundamentais, que até ontem eram apresentados como invioláveis, foram espezinhados em nome de uma emergência: hoje uma emergência sanitária, amanhã uma emergência ecológica, e depois uma emergência de internet, etc".

Ao falar com LifeSiteNews, o Dr. Malone também lamentou o "aumento do transnacionalismo na Nova Ordem Mundial há duas décadas. Agora parece que estamos a ver isso acontecer. "

Ele está convencido de que "um dos problemas fundamentais que resultou nesta dissociação dentro da nossa sociedade, esta fragmentação da nossa sociedade, a sensação de que as coisas não fazem sentido, que não estamos mais conectados, é que escolhemos usar a linguagem da economia para descrever a condição humana."

A linguagem é importante, acrescentou o Dr. Malone, pois "pela nossa própria linguagem, reduzimos a condição humana a unidades económicas, e isso nos torna basicamente peões económicos num processo de crescente riqueza".

"Substituímos a linguagem do bem e do mal e das boas obras nesse tipo de pensamento pela linguagem do lucro", acrescentou o médico. Agora existe um "grande bloco de capital, que está dissociado dos estados-nação". Esse capital "mover-se-á para onde quiser e mover-se-á em resposta a um impulsionador principal, que é o retorno sobre o investimento. Não tem bússola moral. Não tem componente moral. Ele apenas responde à oportunidade de buscar retorno adicional sobre o investimento."

O problema com esse tipo de capital é, de acordo com o Dr. Malone, que agora é "tão grande que pode ditar políticas, políticas económicas e políticas nacionais em diferentes estados-nação. E esse capital adquiriu todos os principais meios de comunicação, toda a Big Tech e todas as grandes empresas farmacêuticas e de vacinas. E ... é por isso que está a agir globalmente de forma integrada."

Essa "fusão de interesses corporativos e estatais" é "global", e é por isso que ele a chama de "totalitarismo global". O que torna este desenvolvimento tão mau é que, aos olhos de Malone, esta capital "não tem moralidade intrínseca."


A posição do Vaticano sobre as vacinas

Ele disse à LifeSiteNews: "É por isso que originalmente tentei, com a sua ajuda, chegar ao Vaticano". O Dr. Malone explicou que..., "pelo menos... tenho alguns fundamentos no cristianismo. Essa é a minha cultura central e, na minha opinião, no mundo ocidental, se ainda existe uma autoridade moral remanescente no mundo, é a Igreja Católica como autoridade moral dominante. "

O Dr. Malone esperava, ao tentar chegar ao Vaticano, que a Igreja falaria contra esse totalitarismo global. "E eu esperava que a Igreja Católica tomasse uma posição de princípio aqui e assumisse uma posição de que isso é errado, que isso é fundamentalmente contrário à humanidade", disse ele.

"É por isso que apoiei o arcebispo [Viganò] porque o arcebispo aceitou isso, parece também acreditar nesses conceitos centrais e usou uma linguagem extraordinariamente forte. Fiquei muito impressionado com a bravura do Arcebispo [em falar] tão abertamente sobre essas coisas. E também, eu senti que aqui está alguém que vem de uma disciplina diferente, num quadro de referência diferente, numa tradição diferente, e pude verificar que ele tinha chegado às mesmas conclusões que eu estava também a chegar."


Psicose em massa

Falando sobre os insights de Mattias Desmet, professor de psicologia clínica da Universidade de Ghent, na Holanda, o Dr. Malone mencionou o "argumento da psicose de formação em massa" do professor.

Desmet argumenta "que eles [as pessoas] estão verdadeiramente hipnotizadas e que uma grande fração da população ficou hipnotizada". O Dr. Malone então comparou a nossa situação atual com o que "aconteceu ao povo alemão durante as décadas de 1930 e 1920, e tem raízes psicológicas semelhantes".

Essa teoria, explicou o Dr. Malone, parece "explicar muitos comportamentos que de outra forma seriam inexplicáveis, como esse nível extremo de agressão e veneno que é lançado contra qualquer pessoa que esteja a expressar-se ser contra este sistema, como vocês no LifeSiteNews. Qualquer coisa que seja contrária à narrativa dominante, eles atacam isso nos termos mais pessoais. São "ataques venenosos e agressivos" que não são baseados em nenhum dado ou informação".

Resumindo ainda mais os pensamentos do Professor Desmet, o Dr. Malone disse que espera que "este período de totalitarismo global nos assuma".


Pequenas comunidades

Neste contexto, é importante promover a "ideia de construção de comunidades locais". Portanto, o Dr. Malone enfatiza, como um remédio para o que quer que esteja a acontecer connosco, a importância de "construir conexões dentro da sua comunidade local".

Construir tais comunidades, ele expôs, significa "construir listas de contato, especialmente para os idosos, dentro da sua comunidade. Quer a sua comunidade seja uma igreja ou outra, qualquer que seja a sua estrutura política e social, tente construir uma comunidade, tente construir listas de contatos, listas de chamadas, mantenha contato uns com os outros e, em particular, ... etc."

"É assim que nos libertamos da psicose em massa, e este é o ponto de Mattias: podemos fazer as pessoas perceberem que o totalitarismo global é uma ameaça maior do que o vírus. (...) É a cura. É a verdadeira cura. É a cura da doença que Mattias Desmet diagnosticou para nós, que é essa psicose de formação de massa, a loucura das multidões", concluiu Malone.

Neste contexto de necessidade de construção de comunidades, LifeSiteNews destacou que "nós iríamos, num sentido literal e filosófico, formar uma aliança antiglobalista, como o próprio Arcebispo Vigano propôs."

Traduzido pelo Apostolado de Garabandal em língua portuguesa, Dezembro de 2021