Culto pagão ao "Pachamama" no Vaticano 

08-04-2020


O Pachamama é um engano teológico para os cristãos. Como vimos, é uma divindade inca pagã. As imagens que a reproduzem do ponto de vista teológico são simplesmente ídolos. O fato de um teólogo, um padre, um bispo, um cardeal, um papa ou um simples crente não conseguir reconhecer esse fato aparentemente indiscutível parece realmente perturbador e completamente incompreensível. Poderíamos dizer que estamos diante de um novo eclipse de consciência, desta vez não na esfera da lei da vida, mas na esfera do primeiro e mais importante mandamento: nos direitos de Deus. 

A isso vem a circunstância agravante de que não apenas a consciência de um povo, mas a consciência da própria Igreja é obscurecida por esse culto a Pachamama. À luz da revelação divina contida na Palavra de Deus, na Tradição da Igreja e no Magistério, a pergunta é muito simples: fazer ídolos para adoração é um pecado muito grave. Prostrar-se diante dos ídolos é idolatria. Oferecer-lhes presentes e sacrifícios, carregando-os em triunfo, colocando-os em um trono, coroando-os e queimando-os incenso é uma idolatria manifesta que é totalmente imoral. Colocá-los em altares ou em igrejas consagradas para adorá-los é uma profanação verdadeira e clara.

O culto a Pachamama é um engano em termos de compreensão da tolerância. A sensibilidade dos fiéis parece justamente magoada quando experimentam o sombrio espetáculo de ídolos adorados nas igrejas católicas. É um fato profundamente desagradável que requer uma condenação estrita. Isso não é falta de respeito ou tolerância para pessoas que professam uma religião diferente. Respeitamos as crenças religiosas de todos, mas trata-se de impor tolerância à idolatria nas igrejas católicas e em locais profanados pela presença de ídolos. Isso não é aceitável. Tolerar tudo isso significa ser cúmplices da profanação. 

Por esse motivo, o gesto de "idoloclasmo" (destruição de ídolos), corajosamente realizado na igreja romana de Santa Maria na Transpontina, é a expressão da mais nobre fé. Não é assunto de calúnia, mas merece elogios.

O culto a Pachamama é um engano da inculturação. O princípio da inculturação é a proclamação do Evangelho, que pode ser acolhida por todos os povos de todas as culturas. O dinamismo da evangelização leva a um processo gradual de transformação da cultura que acolhe a Palavra de Deus e penetra no coração da mesma cultura através da manutenção do bem, da purificação do mal que está contido nela, e traz sobre uma evolução dinâmica da fé que é sempre capaz de renovar tudo. Sem considerar o critério do contraste, não podemos falar de inculturação. É claro que a evangelização é um contraste necessário com os graves aspectos imorais das culturas que ela busca alcançar e, obviamente, exige a renúncia à idolatria ".

A história de Pachamama é um raio-x preciso do estado da Igreja neste momento dramático da história, remanescente das palavras verdadeiramente proféticas do professor Joseph Ratzinger em seu ensaio "Os Novos Pagãos e a Igreja", publicado pela primeira vez na revista "Hochland" (outubro / 1958). As seguintes palavras chocantes de Joseph Ratzinger certamente podem ser lidas como uma espécie de comentário tópico sobre os atos de culto a Pachamama que ocorreram no Vaticano e foram justificados pelo Papa Francisco: "O paganismo hoje está na própria igreja, e é isso que caracteriza a Igreja de nossos dias, bem como o novo paganismo, de que é um paganismo na Igreja e uma Igreja em cujo coração o paganismo vive ".

As seguintes palavras flamejantes do coração do bispo José Luís Azcona, um missionário amazônico e um digno sucessor dos apóstolos, continuam brilhando na história: "Um dos aspectos mais vergonhosos desse gesto idólatra [no Vaticano] foi o esmagamento do consciência dos 'pequenos' através deste escândalo ".

Em vista do fato inegável da gravidade objetiva dos atos de culto a Pachamama no Vaticano, com seus nítidos emaranhados pseudo-religiosos e sua sentimentalização pela propaganda da religião mundial globalista da "Mãe Terra", ainda se pode falar de inofensividade ou refugiar-se no álibi dos "ritos chineses"? Isso significaria defender o indefensável.

Na época da grande confusão eclesial doutrinal e pastoral durante a crise ariana no século IV, São Hilário de Poitiers, o Atanásio do Ocidente, tinha a convicção de que esse estado não deve ser aceito com silêncio ou menosprezo pela situação. . Essas palavras, citadas a seguir, são extremamente oportunas e bastante aplicáveis ​​ao escândalo do Vaticano sobre a adoração de Pachamama: "A partir de agora, o silêncio não seria mais chamado de contenção, mas inércia" (Contra Const. 1).

A todos os que estão na Igreja de nossos dias, que não menosprezaram nem aceitaram silenciosamente os atos de culto a Pachamama no Vaticano, mas elevaram sua voz de advertência, devem receber gratidão e apreço, antes de tudo, aos leigos, que foram movidos por seu senso sobrenatural de fé e através desses atos expressaram seu verdadeiro amor e respeito pelo papa e sua mãe, a Santa Igreja Católica.

18 de novembro de 2019

+ Athanasius Schneider, Bispo Auxiliar da Arquidiocese de Santa Maria em Astana