Como católicos e cristãos, em quem devemos votar?

Como católicos e cristãos, a quem devemos votar ? Esta questão é cada dia que passa, um assunto que merece ser esclarecido e dado a conhecer às pessoas,  pois vivemos atualmente num mundo de confusão e onde os princípios cristãos são muitas vezes esquecidos face aos interesses partidários e do mundo.

É possível ser Cristão Católico e votar em partidos socialistas, de esquerda, ou em partidos que defendam claramente ideais contrários à fé da nossa Igreja, como a promoção do aborto ? A resposta é claramente, NÃO !

Por consciência da nossa alma, um cristão católico não pode votar em partidos que promovam o aborto, a eutanásia, a união civil dos homossexuais, defesa de ideiais marxistas e comunistas ou princípios contrários à fé da Igreja. A defesa da vida deve ser sempre o princípio número um para a base da nossa escolha. Sabemos que nenhum partido é perfeito, por se tratar de natureza humana, perfeito, só Deus. No entanto, há que analisar com cuidado e equilíbrio e ver qual o candidato ou partido que mais se aproxima das coisas de Deus, e daquilo que defendemos como cristãos católicos.

Um exemplo disso, são as presidenciais dos Estados Unidos entre Biden e Trump. Que posições toma um e outro ? São ambos pessoas perfeitas? Não. Mas entre os dois qual o que defende mais os valores cristãos na verdadeira fé em Cristo?

Deixamo-vos a posição esclarecedora de um sacerdote católico a esse respeito:



Um padre católico nas Ilhas Virgens supostamente encorajou os paroquianos na semana passada a apoiar o presidente Donald Trump porque ele é pró-vida.O Consórcio das Ilhas Virgens, território dos EUA, relata que os paroquianos disseram que o Rev. Eduardo Ortiz Santiago, da Paróquia Nossa Senhora do Perpétuo Socorro, em Mafolie, distribuiu uma carta destacando as realizações de Trump, durante os cultos de sábado e domingo.

"Os eleitores católicos têm muitos motivos para apoiar o presidente Trump", exibia um artigo de 23 de setembro de 2020, do pe. Frank Pavone, diretor nacional da organização Priests for Life, de acordo com o relatório. 

"À medida que entramos nos últimos 50 dias antes do dia das eleições, vemos cada vez mais consciência e entusiasmo pela longa e recorde lista de realizações da administração Trump, e como essas realizações merecem a gratidão de todos os católicos", escreveu o Pe. Pavone .

Ele elogiou Trump por fazer da proteção de bebés em gestação, uma prioridade durante os seus primeiros quatro anos no cargo. ASSINE O COMPROMISSO: Estou a votar para o presidente Donald Trump!

"Os católicos, porque falamos pelos nascituros, são gratos pelos esforços do presidente para proteger os nascituros, os mais indefesos e inocentes entre nós", continuou Pavon.

[A carta] credita ao Sr. Trump, avanços em cuidados de saúde acessíveis, oração nas escolas, resposta ao coronavírus, imigração, independência energética, acabando com o ISIS e continuando os esforços anti-terrorismo, mantendo a lei e a ordem e se levantando contra o socialismo. O documentário também condena a grande mídia ao elogiar o canal Fox News e a Eternal Word Television Network (EWTN). As Ilhas Virgens são um território dos Estados Unidos. Os seus cidadãos não votam nas eleições presidenciais. No entanto, o relatório observou que alguns paroquianos ficaram irritados com a carta.

Trump tomou várias medidas para proteger os bebés em gestação, tanto em escala nacional quanto global. Ele tirou o financiamento da Paternidade planeada por meio das suas políticas da Cidade do México e do Título X e introduziu novas restrições para impedir que os dólares dos contribuintes financiassem pesquisas que usassem partes do corpo de bebés abortados. Trump parou de dar dólares de impostos americanos ao Fundo de População das Nações Unidas porque ele incentiva o aborto noutros países e tem trabalhado com a China por décadas para implementar as suas políticas de controle populacional de aborto forçado. Além disso, a administração Trump tem lutado para proteger os trabalhadores médicos pró-vida da discriminação no emprego. No ano passado, ela se envolveu no caso de uma enfermeira de Vermont depois que ela disse que o seu empregador, o Centro Médico da Universidade de Vermont, a enganou para que participasse de um aborto contra a sua vontade. A administração Trump também criou uma nova regra para reforçar a proteção da consciência e punir grupos médicos que discriminam trabalhadores médicos pró-vida.

A Igreja Católica não endossa candidatos políticos, e a Conferência dos Bispos Católicos dos EUA diz aos padres para não endossar publicamente ou se opor a candidatos ou partidos. No entanto, a organização e muitos dos seus membros estão a pedir aos eleitores que pesquisem as posições dos candidatos e façam do fim do aborto uma "prioridade preeminente" na cabine de votação em novembro. 

"A ameaça do aborto continua sendo nossa prioridade preeminente porque ataca diretamente a própria vida, porque ocorre dentro do santuário da família e por causa do número de vidas destruídas", afirma o guia do eleitor da USCCB. Um crescente coro de líderes católicos tem instado os eleitores a fazer do direito à vida para os bebés em gestação uma prioridade nas próximas eleições. Numa mensagem semelhante neste mês, o bispo católico de Cleveland Edward Malesic exortou os cristãos a votarem contra o "mal intrínseco do aborto" porque ele destrói o mais fundamental de todos os direitos humanos. 

No 1º de outubro, o bispo de Nebraska Joseph G. Hanefeldt também escreveu uma forte mensagem exortando os cristãos a "ficar de joelhos e orar pela misericórdia de Deus para salvar as nossas almas, culpados do trágico desprezo por sua soberania e santidade da vida humana, feito à sua imagem e semelhança! "

Traduzido para português pelo Apostolado de Garabandal

Novembro 2020