Cardeal Sarah: “O islamismo é um fanatismo monstruoso que deve combater-se com força e determinação ”

07-11-2020

"O islamismo é um fanatismo monstruoso que deve ser combatido com força e determinação. Isso não vai parar a sua guerra. Infelizmente, nós, africanos, sabemos disso muito bem. Os bárbaros são sempre inimigos da paz. O Ocidente, hoje a França, deve entender isso. Vamos rezar". 

 Assim foi a reação do cardeal Robert Sarah ao ataque em Nice.

O cardeal africano usou seu perfil no Twitter para comentar sobre este último ataque islâmico que resultou em três mortes numa igreja na cidade de Côte d'Azur.

 

O Vaticano, por sua vez, comentou o ocorrido por meio do diretor da Sala Stampa da Santa Sé, Matteo Bruni. O porta-voz do Vaticano afirmou que estamos "num momento de dor, um tempo de confusão". "Terrorismo e violência nunca podem ser aceites", ressaltou.

 

"O ataque de hoje semeou a morte num lugar de amor e consolação, como a casa do Senhor. O Papa está informado da situação e está próximo da comunidade católica que está de luto. Rezem pelas vítimas e pelos seus entes queridos, para que a violência cesse, para que se vejam como irmãos e não como inimigos, para que o querido povo francês possa reagir unido ao mal com o bem ", comentou.

 

O bispo de Nice, André Marceau, fez uma declaração esta manhã na qual reconheceu ter tomado conhecimento "com grande emoção" da tragédia que "atinge" a comunidade católica da região.


"Enquanto escrevo estas linhas, parece que três pessoas foram vítimas de um abominável ato terrorista dentro das paredes e ao redor da Basílica de Notre Dame, dias após o assassinato selvagem do professor Samuel Paty", escreve ele em referência ao assassinato de professor que mostrou as caricaturas de Muhammad.


«A minha tristeza é infinita como ser humano face ao que outros seres, chamados humanos, podem cometer», confessa o prelado, que anunciou que o encerramento de todas as igrejas de Nice foi tomado como medida «até segunda ordem».


O bispo assegura a sua oração pelas vítimas, pelos seus entes queridos e pelas forças da ordem, assim como pelos "fiéis feridos na sua fé e esperança". "Que o espírito de perdão de Cristo prevaleça contra esses atos bárbaros", conclui.


Traduzido pelo Apostolado de Garabandal em lingua portuguesa. 

Novembro de 2020